Prenúncio de morte
Prenúncio de morte

f AnteriorSeguinte e

Até agora já existem 21 pontos de vista.
Comentar
01
Uminuto
em 2010-09-15 08:17:39

e é precisamente isso que a foto nos provoca...um turbilhão de sentimentos. Muito bem conseguida

02
Aa
em 2010-09-15 14:27:22

Começo a ficar preocupada contigo... na foto anterior, aquele "Basta!" e agora esta foto??!! Andarás tu assim tão agressivo ou a fazer umas campanhas publicitárias??!! Prefiro acreditar na segunda opção... :)

03
Paulo Marcelino
em 2010-09-15 16:02:18

Será que estou a ver parte do ultraconfidencial e desconhecido Remus? humm...
Excelente contextualização conceito e ideia amigo Remus, e o preto e branco assentou que nem uma luva.
Bem haja!

04
Mahon
em 2010-09-15 18:07:20

a picture quite succeeded! I like your kind that make us think and provokes feelings!... Bye !!

05
Ana Sofia V Sousa
em 2010-09-15 21:40:02

Violento que ele está! :)
Muito bem conseguida esta fotografia. A escolha do P&B remete-nos a algo mais dramático, uma vez que a cores daria um ar mais "soft" da foto. Parabens!

06
Ams
em 2010-09-16 09:51:29

Uma foto, tal como uma frase ou palavra, retirada do contexto, pode ser mal interpretada. Realmente, o P&B, a faca na mão e a rigidez do corpo, aliados ao texto, remetem-nos para uma história de faca e alguidar. :-D

07
Sérgio Aires
em 2010-09-16 21:57:34

Simplesmente A D O R E I !!! Parabéns!!!

08
Ruimnm
em 2010-09-17 15:48:37

Olha, uma da D90!

Gosto muito de imagens com ambiente próprio, como esta.
Parabéns.

09
Clarice
em 2010-09-19 00:35:52

Uma das mais bonitas... apesar do arrepio na espinha, mas isso passa... e neste caso parece-me que de vez!:)

10
Bean Fely
em 2010-09-19 17:39:23

por momentos lembrei-me das ultimas notícias de violência doméstica, este mundo está a ficar louco ... fora este desabafo, a composição é perfeita

11
L Reis
em 2010-09-19 18:33:41

Digno de um cartaz de Hitchcock!!!!!

12
Mfc
em 2010-09-21 20:11:41

Cortas o queijo que eu abro o vinho!

13
Ana F
em 2010-09-21 23:17:33

Espectacular!

14
Alex
em 2010-09-22 22:02:02

quando largas a pentax e pegas na nikon, fazes destas coisas... :) ficas violento :)

o poema e a fotografia estao em sintonia...

15
Alex
em 2010-09-22 22:03:53

upsss... não é a pentax... mas sim a kodak... :)

16
Sandra Rocha
em 2010-09-23 20:53:32

andas cá com umas ideias, isto eras tu a imaginar o que te fazia quando fosse a ler o teu ultimo mail :)
fantástica

17
Manuelar
em 2010-09-26 13:59:39

Muito dramatica e deixa muntas preguntas no ar... excellente!

18
Remus
em 2010-09-26 18:08:03

Muito obrigado pelos vossos comentários.

aa: Ficas sem resposta. Mas durante a nossa vida, passamos por fazes mais agressivas. :-)
Paulo Marcelino: Estás sim senhor. ;-)
Mahon: Thanks!
alex.: Corrigiste a tempo. :-)
Sandra Rocha: :-)

19
Richard Geven
em 2011-11-08 17:07:45

What is he doing..........???

20
Helder Ferreira
em 2011-11-14 14:11:27

Medo.. :P

21
Ana Lúcia
em 2013-10-05 10:30:37

A adição desse texto à imagem quase que me causou calafrios... Mas tu não metes medo a ninguém! :P ainda mais com uma faquita dessas de cozinha.

Comentar

 

Ouço a trovoada lá fora. Também todo o meu eu corporal explode num turbilhão de sentimentos, alguns inexplicáveis, outros de fácil esclarecimento. Algo não esta bem, sinto-o no sangue. Sinto a falta de algo. A minha visão já não mais é a mesma, entorpecida pelos relâmpagos estonteantes. O corpo não mais é o mesmo, enfraquecido pela peça essencial que lhe faz falta. Sinto como se um comboio tivesse chocado contra a parede que me protegia o coração, e agora a a tua entrada não tem mais impedimentos. A muralha, outrora forte, está novamente caída, e receio pelo pior. Temo que a historia se repita, o guião seja demasiado parecido e o fim estupidamente previsível. O som da trovoada aumenta, o ritmo cardíaco diminui. A chuva junta-se a este aparato de sentimentos, uns inexplicáveis, outros de fácil esclarecimento. Apercebo-me que afinal ainda sou eu mesmo, o mundo mudou, embora eu permaneça na minha esfera existencial, na minha concha de protecção. Sinto-me branco, tal como a luz que emane dos trovões. Trovões poderosos que me enfraquecem. o Mundo já não mais é o mesmo, entro numa sala e reconheço a cara de todos apenas para me aperceber que afinal não conheço ninguém.

Prosa «Prenuncio de morte» de André Machado


#1174 • Publicação: 2010-09-14
Grupo: Preto e Branco
Máquina: NIKON D90
Abertura: f 4.2 • Distância focal: 34 mm
Velocidade do obturador: 1/80 sec
Flash: Disparado

Já viu estas fotografias?

Escrever na água«Physalis»GretaBolinha vermelhaMuralhaMedicamentoBasta!Está a chegar


Escolha da semana

Arco-Íris Reloaded
Arco-Íris Reloaded: Flower
Flower


Ver outras escolhas da semana



As fotografias publicadas neste sítio, não poderão ser copiadas, alteradas ou distribuídas sem a autorização expressa do autor.
No images, may be reproduced, retransmitted or distributed in any way, without the prior express permission of the author.
2004 - 2014 © Pontos de Vistas
Flinpo
Google+
Facebook
Photoblogs
Coolphotoblogs
Coolphotoblogs PdV
Vfxy Photos