Pontos deVistas

A vida não é pose para fotografia.

Senta-te aqui, fala comigo Anterior Seguinte

Senta-te aqui, fala comigo

       Anterior Seguinte       

#Black&White

As palavras fazem
sentido (o tempo que levei até descobrir isto!),
um sentido justo,
feito de mais palavras.
(A impossibilidade de falar
e de ficar calado
não pode parar de falar,
escrevi eu ou outro).

Volto a casa.
ao princípio,
provavelmente um pouco mais velho.
As mesmas árvores,
mais velhas
a lembrança delas
passando sem tempo nos meus olhos,
como uma ideia feita ou um sentimento.

Entre o que regressa
e o que partiu um dia
ficaram palavras;

talvez (quem sabe?)
algum sentido.

Agora, como um intruso, subo as
escadas e abro a porta; e entro, vivo,
para fora de alguma coisa morta.

Senta-te aqui, fala comigo,
faz sentido
e totalidade à minha volta!

Poema de Manuel António Pina.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2197
Publicação: 2014-06-27
Grupo: Preto e Branco
Câmara: KODAK DX6490
Abertura: f 6.3
Distância focal: 17.5 mm
Velocidade do obturador: 1/500 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Verde mar antigo Cumulonimbus Podia e pude Tricomas Vê o mundo de maneira diferente Tu és responsável pela tua rosa Uma questão de tamanho Sempre existe uma janela

  Escolha da semana

Arco-Íris Reloaded: «Osgiliath Wood»
Arco-Íris Reloaded: "Osgiliath Wood"

  Comentários

Existem 18 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar Jarek
em 2014-06-27 09:35:06

Beautiful poem + nice photo = super post

02
Gravatar Questiuncas
em 2014-06-27 10:19:03

Podias colocar a pior fotografia que alguma vez foi tirada, mas mesmo assim só diria maravilhas.
Tenho pelo Pina uma enorme admiração (desculpem-me, mas mesmo sem nunca o ter conhecido é assim que o trato).
Todos os dias era de leitura obrigatória a última página do JN onde ele tinha uma crónica, sempre certeira e acutilante.
Já para não falar no que escreveu para as crianças.
Infelizmente, deixou-nos cedo demais.
A opção pelo pb acho que está fantástica, nem quero saber como seria a cores, gosto assim.
Desculpa desta vez falar pouco da fotografia e muito mais do texto, mas o Pina é o Pina.

03
Gravatar João Menéres
em 2014-06-27 11:55:18

Além de ter escrito o texto para o catálogo de uma exposição minha na Árvore, teve a maçada de vir aqui a casa para ver os trabalhos.
Ofereceu-me dois livros e era leão como eu.

Conversar com ele era um imenso prazer e uma permanente aprendizagem.

Ah, A CADEIRA!...
Já lá vou sentar-me que está um solzinho agradável!

04
Gravatar Manu
em 2014-06-27 15:20:14

Uma composição fantástica, adorei as diferentes texturas, madeira e rocha combinaram muito bem. Apetece ficar sentada ali.
Gostei do poema escolhido do Manuel António Pina e se era leão, só podia ser boa pessoa :P

05
Gravatar Elisa Fardilha
em 2014-06-27 20:35:08

Sentei-me na cadeira a ler o magnífico poema!

A foto está DIVINAL! O P&B favoreceu-a!

Beijinhos.

06
Gravatar Dida
em 2014-06-27 21:19:32

As fotos de Nós crianças ou família eram a P&B. Invariavelmente aparecia uma cadeira com uma boneca e acriança de pé ou, se era foto de família, duas cadeiras com os patriarcas e clã à volta. Porquê? Não faço ideia.
Foi o que me fez recordar esta foto.
Está fantástica.

07
Gravatar Paulo César Silva
em 2014-06-27 22:07:01

Adoro esta foto... não sei bem porque... acho que falta mais qualquer coisa, acho que existe uma história de mistério por detrás da imagem... e fico com uma sensação de nostalgia! talvez pelo formato antigo da cadeira, ou pelas pedras retratadas neste fantástico p&b... excelente! vou voltar cá para revê-la!!!

08
Gravatar João Menéres
em 2014-06-27 23:50:15

As linhas verticais que são visíveis à esquerda (e que não consigo definir exactamente o que são) transmitem uma força enorme à imagem e jogam com as linhas verticais da cadeira.
Depois, a sensação do vazio, também é muito impressiva, REMUS!

09
Gravatar Ana Freire
em 2014-06-28 01:33:19

Já tentei... e recusou-se.
Pura e simplesmente, o meu computador não me liga nenhuma, e só faz o que bem entende.
Por isso, acho que vou aproveitar a cadeirinha e ficar a falar para as pedras, da foto... Para ir treinando... porque calculo que amanhã, o meu computador me irá continuar a deixar falar sozinha... com o problema dos comentários, que se mantém...
Excelente foto, excelente título, e excelente poema, Remus.
Melhor combinação seria impossível.
Um verdadeiro "hat trick".
Bom fim de semana. Por estes dias, verei se continuarei a poder deixar, por aqui comentários, pois como já deixei noutro meu comentário, por aqui, já não estão a passar em certos blogs.
Beijos
Ana

10
Gravatar Jéfferson Cezimbra
em 2014-06-28 22:09:37

Bela composição. P&B foi uma escolha acertada na minha opinião e além de tudo, a imagem dá margem para várias interpretações e isso é muito significativo em uma fotografia.
Parabéns Remus.
Abraço

11
Gravatar Ana Lúcia
em 2014-06-29 10:51:53

O que fará uma cadeira nesse sítio? Talvez pertença a algum escritor que aproveita o calor do sol e escreve poemas para o Remus...

12
Gravatar Roadrunner
em 2014-06-29 15:48:09

Muito boa foto. A escolha do p & b foi acertada.

Saudações!

13
Gravatar Rute
em 2014-06-29 19:11:41

Como eu gostava desse senhor, era um exímio escrito e poeta. E como eu gosto desta fotografia, está uma composição de artista!Grande post
Beijinhos

14
Gravatar Crashryan
em 2014-06-30 21:25:08

lol... nicely framed! cool place for a chair!

15
Gravatar Omar
em 2014-07-01 11:47:01

wow, great one, like it!

16
Gravatar Alex
em 2014-07-01 18:49:04

imagem perfeita. texto perfeito. ambas as coisas: perfeitas ao quadrado.

17
Gravatar Remus
em 2014-07-09 10:42:12

Estou muito grato pelos vossos comentários. Eles são sempre muito importantes e uma parte fundamental.

Jarek, Crashryan and Omar: Thank you.
Ana Lúcia: Essa é a grande questão. Ainda para mais, tendo em conta que era um sitio em ruínas.

18
Gravatar Ana Lúcia
em 2014-07-09 21:08:48

:) Sendo assim podemos de facto fantasiar...