Pontos deVistas

Há duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens.

O rapto Anterior Seguinte

O rapto

       Anterior Seguinte       

#Graphic

O que é que eu vejo no azulejo?
Num dia muito nublado, onde em certos sítios até estaria a chover torrencialmente, chegou uma nave espacial com uns valentes cornos. Muito provavelmente a nave vinha do planeta Kornos, lá para os lados de Cornelius Maior.
O lugar escolhido para este encontro imediato, foi um campo onde existia um pomar de macieiras e um pequeno lago. Por mero acaso, calhou que nesse lugar e a essa hora, estava uma ovelha junto ao lago, completamente distraída, a lavar as patas ou outras partes mais intimas. Nisto, como fosse magia, a pobre da ovelha sentiu o rabo a levantar. Claramente foi apanhada de surpresa. Mal sabe ela que a nave tinha ligado os raios de tracção e começou a raptar a pobre e indefesa ovelha.
O final desta história eu não sei, mas se vos acontecesse o mesmo, aposto que ficariam com a mesma expressão da ovelha.
:-)

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2742
Publicação: 2016-06-14
Grupo: Grafismos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 10
Distância focal: 18 mm
Velocidade do obturador: 1/640 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Feira de sombras Para onde vai toda a gente? O meu fiel amigo Telecomunicações Quase obsoleto? Raia-focinho-de-vaca Em vez de um saco vermelho... Como gotas

  Escolha da semana

Digit@l Pixel: Os caracóis da D. Cenoura
Digit@l Pixel: Os caracóis da D. Cenoura

  Comentários

Existem 14 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar Steven
em 2016-06-14 01:38:18

Incredible graphics captured in these tiles!!

02
Gravatar Joao Meneres
em 2016-06-14 05:27:34

Moral da história: Nunca escolher um campo onde exista um pomar e haja um lago para fazer a higiene pessoal.
Boa leitura de um azulejo incrível.
Versão actualizada de Ganimedes, segundo REMUS.

03
Gravatar Ana Lúcia
em 2016-06-14 10:01:57

Que grande aventura!!! A ovelha teve muita sorte.
Onde foste desencantar estes azulejos?

04
Gravatar Manu
em 2016-06-14 11:35:29

É preciso muita imaginação para interpretar este azulejo e isso não lhe faltou :P
O azulejo é bem bonito, só tive pena da ovelhinha... já não se podem lavar as partes íntimas descansada :)

05
Gravatar Willem
em 2016-06-14 12:24:58

Fine graphic patterns and photographs.

06
Gravatar Elisa Fardilha
em 2016-06-14 17:34:39

O que o Remus descobre!!!
Coitadita da ovelha!

Adorei o azulejo... gosto de azulejos.
Este está limpo e bem conservado.

Beijinhos.

07
Gravatar Lis
em 2016-06-14 18:52:55

Continua tentando amigo que um dia sem esperar estará a escrever belos contos. Mas fuja de raptos e de ovelhas, fica só com os alienígenas que o mundo é curioso...
Os azuis combinam com azulejos. Bonito, Remus
um abraço

08
Gravatar Pc Silva
em 2016-06-14 22:09:23

vê-se logo que esse campo é criado por aliens para atrair indefesas ovelhas... quem acredita num campo tão simétrico!!!! (só a ovelha não é simétrica!!!)
esses azulejos são muito illuminati!!!!
excelente história!!!! :D

09
Gravatar Omid
em 2016-06-14 22:28:11

:)
very nice shot!
such beautiful frame, colors & design!

10
Gravatar Pat
em 2016-06-15 20:51:11

Beautiful porcelain Portugal

11
Gravatar Alex
em 2016-06-19 01:05:49

será que era a ovelha choné? :)

12
Gravatar Roadrunner
em 2016-06-19 15:14:46

Bem bonitos. Uma arte bem lusitana, a conservar e incentivar.

Saudações!

13
Gravatar Rute
em 2016-06-20 00:42:45

hehehehehhe... imaginação é coisa que tens para dar e vender. Que história incrível! Vou ficar à espera da continuação. O azulejo é muito bonito, aliás o nosso país é 'boss' nesta arte da azulejaria.
beijo

14
Gravatar Remus
em 2016-07-20 09:30:13

Obrigado pelos vossos comentários.

Steven, Willem and Omid: Thank you.
Ana Lúcia: Estes azulejos encontrei-os na Figueira da Foz. (Penso não estar enganado...)
Pat: Merci.
Alex: Se calhar até é... Ou então, o fotógrafo é que é choné. :-P
Rute: Acho que a história não tem continuação. Mas nunca se sabe... Até pode ser que alguém, sem ser eu, a continue. :-)