Pontos deVistas

Como as plantas a amizade não deve ser muito nem pouco regada.

Rua do Candeeiro Anterior Seguinte

Rua do Candeeiro

       Anterior Seguinte       

#Black&White

Na rua do Candeeiro vivia um homem de meia idade. Mas antes de prosseguir com o que vou contar, convém estabelecer o que é a "meia idade". Há uns anos, um estudo científico apontou que a "meia idade" num homem seja por volta dos 45 anos. Assim sendo, refaço a frase anterior.
Na rua do Candeeiro vivia um homem com cerca de 45 anos. Talvez até ligeiramente menos. Tinha falta de cabelo, mas esse pequeno pormenor até seria uma vantagem, uma vez que não aquecia demasiado e poupava dinheiro no respectivo corte. Na sua essência era um homem pacato mas com muitos sonhos.
Na sua juventude teve o sonho de pertencer a uma banda de rock. O máximo que conseguiu foi pertencer ao coro da igreja paroquial de Nevogilde.
Também teve o sonho de se tornar o primeiro português nascido em Portugal, a subir a escadaria da Torre dos Clérigos ao pé coxinho. Treinou dias, semanas a fio. Mas quando chegou a hora H, ficou a saber que a Torre dos Clérigos estava fechada para restauro.
Depois decidiu que queria ser surfista. Aprendeu a boiar, a nadar, comprou um fato de surfista daqueles bem justos, onde até se vê o contorno das nádegas, alugou uma prancha e... partiu um pé. Desde esse dia nunca mais colocou os pés no mar.
Finalmente decidiu sonhar com algo mais calmo e inócuo. Decidiu que queria ser fotógrafo. Mas não queria ser um fotógrafo qualquer. Queria ser um fotógrafo que só usava câmaras antigas, mas daquelas bem antigas. Comprou as câmaras e com elas muitas fotografias ele tirou. Tirava fotografias a tudo e a mais alguma coisa. Mas curiosamente, ou não, nunca, mas mesmo nunca, tirou uma fotografia ao candeeiro que dava nome à sua rua. Por causa disso, dizem que o candeeiro ficou ressentido. Apagou-se e nunca mais voltou a dar luz...

Esta é uma história de ficção, que em alguns sítios até pode ser chamada de couve, pelo que qualquer semelhança com alguém ou casos reais não terá sido mera coincidência. :-D

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2835
Publicação: 2016-10-14
Grupo: Preto e Branco
Câmara: KODAK DX6490
Abertura: f 3.7
Distância focal: 63 mm
Velocidade do obturador: 1/350 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Inclinação Amoras silvestres Amor-perfeito F com... fluorescência Ao décimo dia Qual prevalece sobre qual? Duas espécies ÓÓÓ

  Escolha da semana

In' Pression a LUZ: {speechless}
In' Pression a LUZ: {speechless}

  Comentários

Existem 17 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar Manu
em 2016-10-14 19:10:20

Também gostava de ter uma rua com esse nome e com um candeeiro tão bonito, mas não, a minha rua tem o nome de um gajo que eu não conheço de lado nenhum.:P
Admiro a força e coragem o homem de meia idade :)
Posso fazer um reparo? Eu fazia um crop do lado esquerdo para tirar aquela parte cinzenta que a meu ver não faz falta.
E dirá o Remus:- Olha pra esta a mandar bitaites, onde já se viu?! :P :P

02
Gravatar Manu
em 2016-10-14 19:11:41

Enganei-me, referia-me ao lado direito e não ao esquerdo.

03
Gravatar Ana Lúcia
em 2016-10-14 22:05:12

Fiquei a pensar se esta seria a tua história?
Belo candeeiro, merecida fotografia.

04
Gravatar Mário
em 2016-10-15 09:18:21

A foto ilustra bem o texto
Ou
O texto ilustra bem a foto.
Não consegui escolher.

05
Gravatar Carlos Castro
em 2016-10-15 16:34:27

Penso que será a tua história não?
Se bem que subir a torre dos Clérigos podia lhe dar para pior, ao senhor de meia idade, claro está!
Gostei da foto, mas ri-me com o texto.
Bom fim-de-semana.

06
Gravatar Willem
em 2016-10-15 20:43:01

A well exposed shot and also a nice chosen composition.

07
Gravatar Roadrunner
em 2016-10-16 13:56:08

Estória interessante e candeeiro limpinho.

08
Gravatar Elisa Fardilha
em 2016-10-16 18:34:11

Subi a Torre dos Clérigos e não me custou. Vale a pena!
A história está em sintonia com a bela foto.
O candeeiro é magnífico!

beijinhos.

09
Gravatar Alex
em 2016-10-16 23:58:49

coitadinho do candeeiro... :) acredito que agora já não está ressentido! :)

10
Gravatar Dragonstar
em 2016-10-23 15:55:11

Beautiful patterns, and so many lovely tones.

11
Gravatar Olivier
em 2016-10-26 12:40:35

I like breaking into your black and white composition.

12
Gravatar Remus
em 2016-11-22 19:39:20

Obrigado pelos vossos comentários e visitas assíduas.

Manu: E olhe que cheguei a cortar uma boa parte da fotografia... Mas não sei porquê, deixei aquele bocado. Às vezes, nem eu compreendo-me. :-D E acho muito bem que mande bitaites. Da minha parte, a Manu tem carta branca para "bitaitar" à vontade.
Ana Lúcia e Carlos Castro: Acreditas mesmo que será a minha história?! :-D
Willem and Dragonstar: Thank you.
Olivier: Merci.

13
Gravatar Ana Lúcia
em 2016-11-23 22:20:37

"Na sua essência era um homem pacato mas com muitos sonhos."

14
Gravatar Ana Lúcia
em 2016-11-23 22:21:36

"Também teve o sonho de se tornar o primeiro português nascido em Portugal, a subir a escadaria da Torre dos Clérigos ao pé coxinho."

Talvez não sejas tu... não te estou a ver numa aventura destas. :D

15
Gravatar Remus
em 2016-11-24 16:25:04

Ana Lúcia: E todos nós não temos muitos sonhos? Acho que essa primeira frase aplica-se a todos nós. :-)
Já subir a Torre dos Clérigos ao pé coxinho, acho que nem 5 degraus eu conseguia. :-D
E também já agora, surf, não é a minha onda. 8-)

16
Gravatar Ana Lúcia
em 2016-11-24 20:47:10

Sonhos!! :)
Já nem sei do que me valem.
Mas logo vi que subir à Torre não era para ti... mas apenas porque não queres. Se quisesses, conseguias.

17
Gravatar Remus
em 2016-11-25 14:32:10

Ana Lúcia: Mesmo que quisesse, falta-me o principal: O corpo resistir a subir um lanço de escadas ao pé coxinho. Já para subir todos os degraus da Torre dos Clérigos de forma normal, quase que depois é preciso que o INEM esteja lá em cima com uma garrafa de oxigénio... :-D