Pontos deVistas

O essencial é invisível aos olhos.

Enrugada de canto de cigarra Anterior Seguinte

Enrugada de canto de cigarra

       Anterior Seguinte       

#Graphic

Poesia tem que ter barro,
caco de telha, goteira de telhado.
Poesia de sentimento puro
não presta.
Criança é quem melhor faz poema
e sem pegar no lápis, longe do papel.
Poesia está na casca da árvore
enrugada de canto de cigarra:
é só ir lá e por o barulho na garrafa,
lamber o tronco até pegar o gosto
de um verso qualquer.
Não se começa uma poesia
olhando para as estrelas,
elas estão distantes e frias,
e já se esgotaram da própria luz.
Começa-se uma poesia
olhando para o chão.
Adélia, aquela que tem muitos prados
e montanhas de Minas no nome,
ensinou-me isto.
É estrume verde de vaca que cria
que é bom para rimar com alegria,
e não agonia, euforia, alegoria...
Poesia dá em árvore que não se cultiva,
que nasce e cresce sozinha no campo;
você passa por ela, vê o fruto e colhe.
Simples assim...
Ah, ia me esquecendo:
poesia não tem fim.
Poesia só tem começo,
porque dentro:
Eco infindável na infinita alma
do poeta.

Excerto do poema «Poetas de pés sujos» de Gayan Tito

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2467
Publicação: 2015-06-17
Grupo: Grafismos
Câmara: KODAK DX6490
Abertura: f 3.2
Distância focal: 12.4 mm (35mm equiv.: 72 mm)
Velocidade do obturador: 1/45 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Colar de coral Caipirinha, margarita, mojito... Repuxo C'est très cliché Já viram um homem em pêlo? Lótus Conservação da Natureza «Cygnus Atratus»

  Escolha da semana

To whom it may concern - Break time
To whom it may concern - Break time

  Comentários

Existem 17 pontos de vista. Quem será o próximo?
MWALLDEPPDAARAARA
01
M
Manu
em 2015-06-18 00:48:11

Muita coisa me vem à cabeça quando olho para esta foto, uma delas a passagem do tempo, um tempo que não se compadece, que vai criando sulcos, rugosidades e a inevitável sensação que por mais que desejemos, nada podemos fazer.
Hoje esta foto deixou-me a pensar.

02
W
Willem
em 2015-06-18 09:10:28

A very nice and good detail shot.

03
A
Ana Lúcia
em 2015-06-18 14:50:25

Um trono de sobreiro!
Huuuummmm... gostava que esclarecesses :). Eu envio-te um cesto de 10kg de limões e a fatura... e tu envias-me o cesto de cerejas :P
Poesia... tem cereja. :)

04
L
Lis
em 2015-06-18 17:40:33

Foto emblemática _marcante!
_ diz tanto quanto o poema de Gayan Tito
'eco infindável na infinita alma'...

05
L
Lis
em 2015-06-18 17:46:58

... esqueci de dizer que também lamentei não participar do desafio- custa-me tanto encontrar motivos... rs
deixei lá uma resposta-comentário.

06
D
Dida
em 2015-06-18 18:37:00

Com mum pouco de imaginação até conseguimos ver caras fustigadas e marcadas, gravadas pelo tempo.
A simplicidade pode ser muito expressiva. O Renus tem esse poder, fazer das coisas simples, obras de arte.
Parabéns.

07
E
Elisa Fardilha
em 2015-06-18 19:29:20

Olhei, voltei a olhar...e associo-a à etapa final da nossa vida.

A foto está fabulosa. ADOREI!!!

Beijinhos.

08
P
Pat
em 2015-06-18 20:47:28

A tree bark, I think!! beautiful black and white

09
P
Paulo César Silva
em 2015-06-18 22:16:36

este poema é ligeiro e transmite alegria. gostei.
e também gostei da foto, uma textura a p&b bem contrastado como eu gosto :)

10
D
Dinis Ponteira
em 2015-06-19 20:55:21

Excelente textura

11
A
Ana Freire
em 2015-06-22 11:20:31

Um lifting talvez ajude...

12
A
Alex
em 2015-07-06 15:06:16

"sente-se".... brutal!

13
R
Remus
em 2015-07-08 22:40:35

Muito obrigado pelos vossos comentários.

Willem: Thank you.
Pat: Merci.

14
A
Ana Lúcia
em 2015-07-09 07:52:03

E afinal tratasse de (eu esqueço as cerejas :()?

15
A
Ana Lúcia
em 2015-07-09 07:52:46

trata-se...
desculpa :P

16
R
Remus
em 2015-07-09 10:22:38

Ana Lúcia: Mas tens dúvidas? É mesmo o tronco de um sobreiro. ;-)
Em relação às cerejas... já passou a época delas. Agora é época dos pêssegos. :-D

17
A
Ana Lúcia
em 2015-07-09 17:26:05

Snif... pois e eu mal as comi...
Adoro pêssegos!!! :D
E para bom entendedor... :P