Pontos deVistas

Não roube! O Governo não gosta de concorrência.

Linha & Agulha Anterior Seguinte

Linha & Agulha

       Anterior Seguinte       

#Object

Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:
— Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma cousa neste mundo?
— Deixe-me, senhora.
— Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.
— Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros.
— Mas você é orgulhosa.
— Decerto que sou.
— Mas por quê?
— É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu?
— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu e muito eu?
— Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados...
— Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás obedecendo ao que eu faço e mando...
— Também os batedores vão adiante do imperador.
— Você é imperador?
— Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto...
Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:
— Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima...
A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou ainda nessa e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.
Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe:
— Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá.
Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha:
— Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faz como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico.
Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça:
— Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!

Conto «Um Apólogo» de Machado de Assis.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2200
Publicação: 2014-06-30
Grupo: Objectos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 5.6
Distância focal: 120 mm
Velocidade do obturador: 1/15 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

«Lactuca Sativa» Valorização da magreza Tu és responsável pela tua rosa Fascínio da imperfeição Óculos de sol As mais ricas My cock Vertigem

  Escolha da semana

To whom it may concern: Buizerd, Buteo buteo
To whom it may concern: Buizerd, Buteo buteo

  Comentários

Existem 17 pontos de vista. Quem será o próximo?
RWMJAERCAAPDKMRRL
01
R
Rute
em 2014-07-01 02:12:09

Uma vez escrevi para uma fotografia tua que também tinha carrinhos de linhas, lembras-te? As cores são muito bonitas e estão dispostas de forma agradável à vista. (Amanhã venho cá ler a história, que hoje já é muito de tarrrrrrrde).
Beijos

02
W
Willem
em 2014-07-01 09:10:07

Beautiful colorful image with, as always, a very nice focus.

03
M
Manu
em 2014-07-01 10:34:07

Achei deliciosa a discussão entre a linha e a agulha e acho que o alfinete de cabeça rematou da melhor forma.." onde me espetam fico" foi como eu fiquei, espetada aqui a ver uma foto que me encantou pelas cores, pela qualidade a que o Remus já me habituou quando tira fotos assim.

04
J
João Menéres
em 2014-07-01 14:41:39

Antes de ler o texto, digo que o REMUS é um MESTRE !
Adorei a imagem.

Um abraço.

05
A
Alex
em 2014-07-01 18:44:37

profundidade de campo no ponto. as agulhas dão dinamismo à cena. o pormenor da linha nas agulhas está delicioso. as cores foram mto bem escolhidas.

06
E
Elisa Fardilha
em 2014-07-01 19:08:14

Um post de luxo!

Genial foto , soberbamente legendada.

Beijinhos.

07
R
Rute
em 2014-07-01 20:27:17

Eu disse que voltava e em boa hora o fiz porque a história é encantadora e puxa pela nossa atenção. Gostei imenso do que li.
Beijo

08
C
Cristina
em 2014-07-01 22:11:43

A foto está incrivelmente bonita e nítida.
Só não li o texto todo, é muito longo.

09
A
Ana Freire
em 2014-07-01 23:53:24

Acho que escapou um elemento fundamental, a Machado de Assis, neste conto... O dedal também terá uma palavra a dizer...
A agulha fura... a linha prende...
Mas uma costureira, sem dedal... cose pouco... e mal...
Já a foto, não está mesmo nada mal... e prende-nos a atenção, com umas cores, e distribuição de elementos "à la Remus"... do melhor... como sempre.
Grande foto, e excelente escolha do texto!
Bjs
Ana

10
A
Ana Lúcia
em 2014-07-02 00:06:17

Gostei da história e da foto.
E gostei do professor de melancolia...

11
P
Paulo César Silva
em 2014-07-02 23:02:52

realmente muitas vezes identificamos-nos com a agulha (se calhar esquecemos-nos de quando somos linha)... mas o que eu não gosto mesmo é dos alfinetes: não fazem nada de produtivo e estão sempre a mandar bitaites!!!

12
D
Dida
em 2014-07-07 02:31:51

A agulha é preciosa, mas vingativa. Estes dias furou de um lado ao outro a minha unha que ganhou um respiradoiro esquisito e me fez abanar a mão como se ela fosse um abanador de castanhas.
Se calhar porque aqui a baronesa se armou em costureira, será?

Mas entre linhas e agulhas a foto ganhou ainda mais expressão com o texto que a acompanha.
Parabéns

13
K
Kaipiroska
em 2014-07-07 22:56:42

Excelente composição com os vários tipos de carrinhos e linhas de cor diferente.

14
M
Mfc
em 2014-07-09 10:32:52

Policromia e originalidade.

15
R
Roadrunner
em 2014-07-12 14:25:56

Excelente foto!!! Faz-me recuar à minha infância quando olhava para a minha mãe nas suas costuras e coseduras.
Muito boa mesma!!!

Saudações!

16
R
Remus
em 2014-07-12 14:27:15

Muito obrigado pelos vossos comentários.

Rute: Então, não me lembro!? Até digo que foi a fotografia «Linhas de costura».
Willem: Thank you.
Ana Freire: O dedal, neste conto, será o herói esquecido. :-)
Dida: :-D Claramente devido à falta de jeito. :-D

17
L
L Reis
em 2014-07-22 16:32:48

Esta fotografia tem um grande mérito, pois acabo de perceber que sei ganir... Desconhecia em mim esta capacidade e agradeço, pois ser-me-á de grande utilidade num futuro próximo.