Pontos deVistas

O bom humor tem algo de generoso: dá mais do que recebe.

Sem som Anterior Seguinte

Sem som

       Anterior Seguinte       

#Graphic

Um dos primeiros teclados de computador do princípio dos anos 70 incorporava reed switches, que funcionavam com um íman e dois filamentos de metal. Quando o campo magnético estava suficientemente perto, empurrava simultaneamente os dois filamentos e completava o circuito – ou, que é como quem diz, escrevia um carácter. Contudo os tais filamentos eram frágeis e por isso esses teclados não eram muito fiáveis. Se desalinhassem ou ficassem sujos de pó nos pontos de contacto, o teclado deixava de funcionar.
Em 1978 a IBM patenteou o mecanismo de tecla buckling spring que simulava o toque das máquinas de escrever. O mecanismo usava uma mola presa a superfícies não paralelas debaixo da capa da tecla. A mola encolhia normalmente quando premida mas "prendia" de lado no ponto de "clique" devido à superfície não paralela, criando o som familiar do popular teclado das máquinas de escrever.
A existência do som das teclas é um pormenor fundamental, já que o momento em que se ouve o som, o cérebro regista como sendo a introdução de um carácter e o dedo da mão é automaticamente recolhido.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2621
Publicação: 2016-01-06
Grupo: Grafismos
Câmara: KODAK DX6490
Abertura: f 3.2
Distância focal: 15.6 mm
Velocidade do obturador: 1/350 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Gema Colza Linhas visíveis e invisíveis Mobiliário urbano Principia Mathematica Quando mais é menos In memoriam: Galilei De olhos postos no chão

  Escolha da semana

To whom it may concern: The Netherlands, Egmond aan den Hoef
To whom it may concern: The Netherlands, Egmond aan den Hoef

  Comentários

Existem 14 pontos de vista. Quem será o próximo?
JOMWEJPDKPAAOR
01
J
João Meneres
em 2016-01-06 15:02:54

As coisas que o REMUS ainda sabe...

02
O
Oldshutterhand
em 2016-01-06 16:26:06

Interesting story and a fascinating picture.

03
M
Manu
em 2016-01-06 18:42:50

O que se aprende aqui!!! Talvez por ter começado bem tarde a usar Pc não sabia nada disso.
A foto está espectacular, quando olhei sem ler pareciam couvettes de gelo... enfim, tonteiras minhas :P

04
W
Willem
em 2016-01-06 19:00:16

As always, a wonderful lighting and depth of field, beautiful monochrome.

05
E
Elisa Fardilha
em 2016-01-06 20:26:54

O que tu sabes!!!
Mais uma vez aprendi contigo.
Uma foto inédita!
Beijinhos.

06
J
Jéfferson Cezimbra
em 2016-01-07 00:04:27

E o Remus é do tipo que vive desmontando e montando coisas? rsrsr
Abraço

07
P
Photo Attraction
em 2016-01-07 11:48:13

Parece um complexo de centrais nucleares em miniatura...
Sempre pensei que "carácter" fosse das pessoas e "caracter" dos computadores. Mas pelos vistos estou enganado...

08
D
Dalmeida
em 2016-01-07 14:10:11

Demais! Adorei o apontamento e a foto!

09
K
Kaipiroska
em 2016-01-07 14:19:41

Ora aqui está um pormenor muito importante em que nunca tinha pensado, mas que realmente faz sentido.

10
P
Pc Silva
em 2016-01-09 19:17:09

por isso é que nos smartphones uma pequena vibração é importante. até o piiiiiii das caixas do supermercado para saber que a leitura foi feita!!! até o som de bater as portas do carro é estudado para que as pessoas se sintam seguras depois de fechar a porta!

11
A
Ana Lúcia
em 2016-01-11 21:14:36

E teclado anti-sujidade? Caiu um pouco de hot chocolate no meu e ficou colado. :(

12
A
Alex
em 2016-01-16 19:01:59

isto parece-me um bairro residencial... :)

13
O
Olivier
em 2016-02-03 12:31:10

You played with forms. You ceate a mini city... Nice monochome.

14
R
Remus
em 2016-02-09 22:04:41

Obrigado pelos vossos comentários.

Oldshutterhand and Willem: Thank you.
Jéfferson Cezimbra e Ana Lúcia: Por acaso este tipo de teclados (mais antigos) são bons, porque permitem que as teclas sejam retiradas e lavadas. Já o mesmo não posso dizer dos teclados modernos... E os que existem com a possibilidade de retirar as teclas, são muito caros.
Photo Attraction: Segundo o dicionário, a palavra caracter não existe...
Olivier: Merci.