Pontos deVistas

Tu nasceste como um original. Não morras como uma cópia.

Transparência perdida Anterior Seguinte

Transparência perdida

       Anterior Seguinte       

#Graphic

A confusão a fraude os erros cometidos
A transparência perdida - o grito
Que não conseguiu atravessar o opaco
O limiar e o linear perdidos

Deverá tudo passar a ser passado
Como projecto falhado e abandonado
Como papel que se atira ao cesto
Como abismo fracasso não esperança
Ou poderemos enfrentar e superar
Recomeçar a partir da página em branco
Como escrita de poema obstinado?

Poema «Os Erros» de Sophia de Mello Breyner Andresen.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 3270
Publicação: 2018-05-10
Grupo: Grafismos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 5.3
Distância focal: 90 mm
Velocidade do obturador: 1/160 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Boa sorte Lisa Na relva do olhar O que elas querem... Existiu um tempo Castelo Vem, vagamente O Porto é só...

  Escolha da semana

In' Pression a LUZ: {fotogenia}
In' Pression a LUZ: {fotogenia}

  Comentários

Existem 14 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar JoÃo MenÉres
em 2018-05-10 16:43:20

Vou abstrair-me da Sophia e só pergunto ao Remus se isto é a letra V...
( Não pensem o mesmo do que eu, por favor !...).

02
Gravatar Willem
em 2018-05-10 18:03:00

A fantastic abstract result, well done Remus.

03
Gravatar Steven
em 2018-05-10 22:52:52

A thought-provoking poem. Looks like a revamped edition of Connect Four! :-)

04
Gravatar Manu
em 2018-05-11 18:41:46

Ando aqui a dar voltas à cabeça para tentar adivinhar o que serão estas coisas escuras. :P
Sem dúvida um grafismo que me deixou a matutar e apetece perguntar, por onde andou o Remus?

05
Gravatar Ana Lúcia
em 2018-05-11 18:53:17

Remus!!! Mas que indiscrição! Publicar os novos padrões da estação Outono/Inverno 2018 da estilista Anabela Baldaque! também há em azul? :P

06
Gravatar Elisa Fardilha
em 2018-05-11 19:03:50

Uma foto intrigante|

Parecem os escudos dos soldados medievais.

Beijinhos.

07
Gravatar Maria Antonieta
em 2018-05-11 20:47:15

JoÃo MenÉres:
Eu pensei o mesmo que o Sr. pensou, sim!!
Aposto que é isso tudo... esse fatídico e misterioso triângulo das Bermudas... Mas tantos? Não havia necessidade...

08
Gravatar Martine Libouton
em 2018-05-12 10:07:23

J'adore ++++

09
Gravatar L Reis
em 2018-05-13 11:27:35

Oquéquéisto?
Quem é que tem uma parede revestida a azulejos com recortes de brasões de armas... ou serão chapéus de três bicos?
Se bem que a repetição do padrão, com as diferentes texturas, tenha resultado graficamente muito, mas mesmo muito bem, não é razão para andar aqui a pôr fotografias que podem levar as pessoas a pensar outras coisas... isto é pior do que um teste de Rosrchach!

10
Gravatar Roadrunner
em 2018-05-13 16:20:33

Que é isto? Palhetas da colecção do Jimi Hendrix?!

Saudações à Fender!

11
Gravatar Omid
em 2018-05-15 19:59:40

such beautiful frame & pattern!
Amazing!

12
Gravatar Dida
em 2018-05-17 02:24:27

Brasões?
Não são solas para os tacões dos sapatos?eheheheh
Ou será daquelas palas que se colocam nos olhos aos cavalos?

Não te preocupes eu espero pela informação. :-)

13
Gravatar Alex
em 2018-05-24 22:28:58

são palhetas?! é só o que me parece, mas não devem ser :D

14
Gravatar Remus
em 2018-06-04 21:05:21

Estou grato pelas vossas visitas e comentários. Como alguns perguntaram com tanta eloquência e simpatia, eu respondo o que é isto. É uma parede que existe no Santuário do Sameiro em Braga, com estas pequenas janelas (?) ou pelo menos serão vidraças. Foi a forma que o arquitecto arranjou para deixar passar alguma luz para o interior do edifício, sem contudo deixar que seja possível ver-se para dentro.

João Menéres: Esta fotografia nunca poderá ser para Letra V, porque não existe nenhuma letra V na fotografia. :-D
Willem, Steven and Omid: Thank you.
Ana Lúcia: Agora é que me baralhaste todo. Estou completamente por fora desse assunto da moda e da Baldaque. :-)
Martine Libouton: Merci.