Pontos deVistas

Não roube! O Governo não gosta de concorrência.

Naquela rua Anterior Seguinte

Naquela rua

       Anterior Seguinte       

#Urbanism

Alguém dizia que, naquela rua, costumava passar o poeta. Caminhava, lentamente, com várias esferográficas no bolso. Muitas vezes, apenas com uma, já que era comum perdê-las em vários locais. Na mão, trazia um caderno, cheio de poemas. Nunca se separava daquele que utilizava, a cada momento. Tinha várias pilhas de cadernos guardados em casa. Tinha também blocos de folhas destacáveis, nas quais passava os poemas a limpo, para a seguir deixá-los na rua. O processo estava mecanizado, a esse nível. A criação artística, por seu lado, era um pouco caótica. Como a sua vida, no fundo.

Inicio do conto «Poemas» de João Nogueira Dias.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 1935
Publicação: 2013-07-16
Grupo: Urbanismos
Câmara: KODAK DX6490
Abertura: f 5.6
Distância focal: 6.3 mm
Velocidade do obturador: 1/1000 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Nem com meiguice Promíscua Espiral recessiva Beleza efémera Almoço sincronizado M de ...? Cerca de grandes muros Combinação secreta

  Escolha da semana

To whom it may concern: Grote groene sabelsprinkhaan
To whom it may concern: Grote groene sabelsprinkhaan

  Comentários

Existem 25 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar Cropping View
em 2013-07-17 00:10:03

tal como as paredes que percorrem esta rua, também eu fico caiado com a beleza desta imagem.
parece-me contudo e se me permites, haver luz em demasia, pois o branco salta em direção aos nossos olhos.
talvez por isso me quedo pela sombra

abraço

02
Gravatar João Menéres
em 2013-07-17 00:28:33

Não é para contrariar o comentário de CROPPING VIEW, mas, quanto a mim, está excelente o trabalho.
Um lus tão forte, provoca ineviyáveis sombras e os brancos foram muito bem controlados.
Por mim, elogio !

Um abraço.

03
Gravatar João Menéres
em 2013-07-17 00:29:41

Eu sei que luz é com >Z< !
O dedo errou na tecla.

04
Gravatar João Menéres
em 2013-07-17 00:31:04

E também saiu >Um< em vez de UMA !...
É o stress.

05
Gravatar João Menéres
em 2013-07-17 00:32:56

Ainda mais outro erro : >Y

06
Gravatar Lacorrilha
em 2013-07-17 01:11:45

O que eu adoro estas ruazinhas. Fotografia linda.

07
Gravatar Willem
em 2013-07-17 08:09:38

Beautiful exposed picture of this street and also a very nice b/w conversion.

08
Gravatar L Reis
em 2013-07-17 13:41:05

Até a luz e a sombra por ali escrevem poesias, mesmo sem caderno nem caneta. E, mesmo quem nunca ali passou agarra a nostalgia, em jeito de repouso, de um recanto assim tão longe do barulho do mundo.

09
Gravatar Zekarlos
em 2013-07-17 14:56:03

Um tela perfeita, gosto destas ruas e vielas. Abraço

10
Gravatar The Dear Zé
em 2013-07-17 17:36:42

Alentejo? Remus perdido pelas terras do sul?!!

11
Gravatar João Menéres
em 2013-07-17 19:55:30

Ai que bem a L. REIS descreveu o meu sentir...

12
Gravatar Elisa Fardilha
em 2013-07-17 21:43:35

Naquela rua "escondem-se" segredos.

Imaginei-me passeando por ali...

Uma foto fabulosa...não me faz diferença luz/sol a mais...vou pela sombra.

Beijinhos.

13
Gravatar Manu
em 2013-07-18 00:01:09

Adoro este branco, estas ruas estreitas, esta paz que se respira numa foto muito bem conseguida.

14
Gravatar Rute
em 2013-07-18 00:53:09

Os artistas têm destas coisas...gosto muito da fotografia e do caminho deserto que me leva a imaginar o poeta a caminhar vagarosamente ruela a cima. O P&B deu um 'ar' nostálgico/bom à imagem.
1 beijinho

15
Gravatar João Menéres
em 2013-07-18 01:01:19

Um justo e merecido sucesso nos comentários já chegados !

Um abraço.

16
Gravatar Dida
em 2013-07-18 04:10:27

O silencio das casas caiadas.
Como se houvesse hora marcada para o despertar das conversas dos vizinhos animando as janelas.
Gosto destas vielas de calçada. Gosto do sol que as inunda e das sombras que nos resguardam do calor tantas vezes infernal.
Gosto da luz que transmite a foto

17
Gravatar Ana Lúcia
em 2013-07-18 10:05:06

"Hoje vou voltar na rua que eu nasci
Hoje eu quero lembrar como é ser feliz
Lá nossas crianças brincavam mais
Hoje vivemos os dias sempre tão iguais
O tempo vai, vamos decidir
Vamos sonhar antes de dormir
Vem me visitar e não repare
Que hoje a casa eu nem vou arrumar"

Marcela Taís

Eu gosto da tua fotografia, apesar da solidão que transmite... falta-lhe o poeta...
:)

18
Gravatar Kaipiroska
em 2013-07-19 01:03:36

Gosto de todo este BRANCO e preto.

19
Gravatar Lis
em 2013-07-20 23:36:35

Ruas cheias de sentimento com casas baixas e antigas com janelas que espiam os passantes _ inspiração de poetas!
Gosto do poema de João Noguueira
E belo P&B
abraço

20
Gravatar Roadrunner
em 2013-07-23 12:48:17

Cheira a Alentejo!

Saudações!

21
Gravatar Margot Félix
em 2013-07-25 01:58:43

Esta só poderia ser a P&B. Linda linda!

22
Gravatar Rian
em 2013-07-25 16:04:40

this is a nice street to walk around.. nice capture too..

23
Gravatar Remus
em 2013-07-29 11:05:42

Muito obrigado pelos vossos comentários. Eles são sempre muito importantes e uma parte essencial.

Willem and Rian: Thank you.
The Dear Zé: É verdade. Já estive muito bem perdido nessas terras... ;-)

24
Gravatar Alex
em 2013-08-22 19:24:15

conseguir uma rua "sem ninguém", para fazer "isto"... é perfeito! o p&b fez o resto...

25
Gravatar Maria Antonieta
em 2018-06-22 21:51:32

Para uma linda, maravilhosa, fantástica fotografia, que sugere calor, Verão e tranquilidade de espírito... um poema lindo e maravilhoso.
Para mim... mas como sou eu que aqui estou escrevendo, quem manda sou eu...

Gramática de coentro e cal
geometria do branco e do Verão
solidão como sinal
quase cigarra quase pão
em seu falar como um cantar de amigo.

Aqui acaba o último e o primeiro
e um procura o outro seu igual
para dizer um nome entre azinheira e trigo.

Este é o chão mais puro e verdadeiro.

E as sombras sentam-se comigo
à sombra de um sobreiro.

Poema «Alentejo e Ninguém» de Manuel Alegre

:)