Pontos deVistas

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro.

Tocam os sinos na torre da igreja Anterior Seguinte

Tocam os sinos na torre da igreja

       Anterior Seguinte       

#Urbanism  #festasdopovo

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passando a procissão.

Pelas janelas, as mães e as filhas,
As colchas ricas, formando troféu.
E os lindos rostos, por trás das mantilhas,
Parecem anjos que vieram do Céu!

Com o calor, o Prior aflito.
E o povo ajoelha ao passar o andor.
Não há na aldeia nada mais bonito
Que estes passeios de Nosso Senhor!

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Já passou a procissão.

Excerto da letra da música «Procissão», escrita por António Lopes Ribeiro.



@ Festas do Povo de Campo Maior de 2011.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 2144
Publicação: 2014-04-18
Grupo: Urbanismos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 5.6
Distância focal: 20 mm
Velocidade do obturador: 1/1000 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Gonçalo Mendes da Maia Mais tempero que fruto Artista Ás 2 3 Muralhas do tempo «Lactuca Sativa» Objecto de mitos Podia e pude

  Escolha da semana

Omid: crab plover
Omid: crab plover

  Comentários

Existem 14 pontos de vista. Quem será o próximo?
Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar Gravatar
01
Gravatar Chica
em 2014-04-18 10:18:29

Lindíssima foto e adorei te ler!
Que tua Páscoa seja alegre e feliz! abraços, chica

02
Gravatar Willem
em 2014-04-18 10:49:01

Wonderful photo, photographed from a beautiful sight and
so beautiful against the blue sky.

03
Gravatar Jéfferson Cezimbra
em 2014-04-18 13:58:45

Gostei do ângulo e da perspectiva da imagem, mas se eu falar que também gostei do azul do céu, estarei sendo repetitivo e sou capaz de tomar uns "bofetes" do autor da foto rsrsrsrs
Abraço

04
Gravatar Ana Freire
em 2014-04-18 14:29:40

Também gosto da perspectiva, e desse branco fantástico, muito bem captado, que acentua esse manto azul do céu... impossível de conseguir, nesse tom, para o comum dos mortais... que fica com as nuvens, os aviões a passar, os rastos dos aviões, os postes de electricidade, os fios, os reflexos do sol...
Bela foto, mesmo!
Um abraço e boa Pascoa!
Ana

05
Gravatar Ana Lúcia
em 2014-04-18 17:03:52

Fez-me lembrar o véu de uma noiva...
Uma Santa Páscoa Remus.

06
Gravatar Jarek
em 2014-04-18 18:12:02

Easter is coming ... Beautiful photo!

07
Gravatar Elisa Fardilha
em 2014-04-18 20:20:52

Uma foto genial, com um ângulo fabuloso!

Deve ser uma Páscoa, algures numa aldeia de antanho...

Desejo-te uma Boa e Docinha Páscoa.

Beijinhos.

08
Gravatar Manu
em 2014-04-19 12:25:38

Este manto branco em frente da igreja, fascinou-me, aliás, a foto, toda ela está um espanto... as cores, a perspectiva, tudo!
Boa Páscoa Remus

09
Gravatar Alex
em 2014-04-20 17:06:48

e que bem que tocam... a igreja já esta engalanada para o efeito

10
Gravatar Lis
em 2014-04-22 01:13:00

A cor branca nunca consigo que fique boa, nítida_sempre embaçam rs
Ficou perfeita Remus
e o enquadramento deu o toque final,
adorei!

11
Gravatar Questiuncas
em 2014-04-22 15:31:02

Reparo que toda esta fotografia é uma descarada publicidade ao OMO.
É o céu imaculado, a igreja sem pinta de mancha e o branco do papel brilhante.

12
Gravatar Roadrunner
em 2014-04-28 15:36:32

Muito bonito, embora o tempo e dinheiro gastos pudessem ser empregues de uma forma mais proveitosa...

Saudações1

13
Gravatar Remus
em 2014-04-30 08:42:06

Estou muito grato pelas vossas palavras.

Eu não disse, mas se calhar devia ter dito, esta é mais uma fotografia que foi tirada quando fui às Festas do Povo de Campo Maior em 2011, a famosa festa das ruas enfeitadas com flores de papel e que já mostrei muitas fotografias.
Willem and Jarek: Thank you.
Jéfferson Cezimbra: Eu não dou "bofetes"... Se for para bater, é sempre à séria. :-D

14
Gravatar Flavio
em 2014-12-22 23:36:32

foi escrito por Antonio Lopes Vieira e não Ribeiro. O primeiro foi escritor enquanto que o segundo (o Ribeiro) foi cineasta.