Pontos deVistas

Só há um tipo de amor que dura, o não correspondido.

Força que há na luz Anterior Seguinte

Força que há na luz

       Anterior Seguinte       

#Experiment

A força que há na luz, não sua ausência,
pode ser a origem mais secreta
do escuro em que afundamos de repente:
por excesso de luz, eis que estou cega,
por excesso de amor, eu não entendo
- o farfalhar macio, a crua seda -
­aquilo que nos move, e que ultrapassa
o limite de tudo o que sabemos.
Por excesso de dor eu me humanizo,
eu me faço pequena e tão real,
nos tornamos serenos, silenciosos,
tão reais e inocentes e macios,
que essa luz que não vemos é demais.
Mesmo ser é um excesso em que caímos.

Poema «A Força que Há na Luz» de Marly de Oliveira, in "O Sangue na Veia".

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 4412
Publicação: 2022-04-07
Grupo: Experiências
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 5
Distância focal: 48 mm
Velocidade do obturador: 1/60 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

O Zé é tudo Saúde dos insectos Surdas e de digestão lenta O poder da simplicidade Neoclássico Inveja, coração e ignorância Quando a chama se ateia Suji wa dokushin ni kagiru

  Escolha da semana

To whom it may concern: Mus, Passeridae
To whom it may concern: Mus, Passeridae

  Comentários

Existem 6 pontos de vista. Quem será o próximo?
AWSCML
01
A
Ana Lúcia
em 2022-04-07 18:23:18

Magnífica!
A fotografia e também gostei da poesia.

02
W
Willem
em 2022-04-07 20:13:14

A gorgeous photo as a result, beautifully presented with this poem.

03
S
Steven
em 2022-04-08 00:39:26

An eye-catching abstract that keeps me thinking of what this is. I first thought it was a sconce until the shadows cast said otherwise. The poem is a great addition.

04
C
Claudine/canelle
em 2022-04-08 07:10:56

Très belle osmose entre ce beau poème et ta photo

05
M
Manu
em 2022-04-08 13:53:27

Uma luz que ofusca tanta beleza.

06
L
L Reis
em 2022-04-10 11:30:12

Eu prefiro pensar na força que seria precisa para lhe amolgar os dois artelhos. É um pensamento que me entrem muito mais e que daria também lugar a um belo poema, saque estou com alguma falta de tempo.
Agora anda a fotografar apeliques de parede que deixam desenhos de sombra na luz... a loiça em pilha por lavar, o cotão a rolar pelo chão, as cuecas e as meias por lavar e ele nisto... está certo!