Pontos deVistas

O melhor existe, o único não.

Clausura Anterior Seguinte

Clausura

       Anterior Seguinte       

#Graphic

Todos os anos os mais variados grupos visitam os mosteiros espalhados pelo mundo afora solicitando explanações sobre a vida monástica; há ainda os que os buscam para alguns dias de retiro em suas hospedarias ou então na busca de aconselhamento.

Muitos, ao ouvirem falar de vida monástica, são remetidos de certa forma à Idade Média, a algo distante e obscuro, secreto e cheio de segredos. A clausura do mosteiro, por conseguinte, tende a acentuar essa visão, uma vez que, sendo o acesso mui restrito, reproduz essa atmosfera de mistério.

Sabe-se que até o início do séc. IV, o facto de ser cristão era motivo suficiente para ser-se morto. Por isso, somente os que tinham uma convicção forte, mantinham firme as suas convicções religiosas. Com o advento do Edito de Milão em 313, e com a posterior fixação do cristianismo como religião oficial do Império Romano, em 398, florescem as pessoas que partem para lugares inóspitos e isolados, para aí buscarem a santidade.
Inicialmente viviam completamente sozinhos, em grutas, no meio de desertos, por vezes, com um discípulo, mas, em geral, sozinhos. Vagarosamente formaram-se comunidades monásticas que, embora tivessem vida comum, mantinham uma vida de solidão, de oração e de trabalho. Assim se vai formando o que se denomina clausura, ou seja, o espaço físico reservado unicamente para os monges.

Um dia, uma freira ao ser questionada por alguém sobre qual seria a diferença, na prática, entre um mosteiro e uma prisão, deu como resposta: «Numa prisão facilmente se entra – basta cometermos um crime – mas, de lá, dificilmente se sai. Em um mosteiro, ao contrário, dificilmente se entra, mas com facilidade se sai – por que estamos sempre livres».

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 4024
Publicação: 2020-12-03
Grupo: Grafismos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 5.6
Distância focal: 60 mm
Velocidade do obturador: 1/200 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Sem perfume I ❤ Porto Foz d’Égua Trufas Funicular Diferença não era a pedra Eles comem tudo Cianeto

  Escolha da semana

Instantes Cativos ''FOTOGRAFIA'': Depois da tempestade vem a bonança
Instantes Cativos ''FOTOGRAFIA'': Depois da tempestade vem a bonança

  Comentários

Existem 10 pontos de vista. Quem será o próximo?
AMWJJMLROR
01
A
Ana Lúcia
em 2020-12-03 09:04:16

Essa atmosfera de mistrério é algo que me atrai nos mosteiros, igrejas... viegens no tempo... Adorei a simetria e a perfeição das grades, com o mundo lá fora pouco nítido. Excelente profundidade de campo.

02
M
Manu
em 2020-12-03 11:34:08

Já estive enclausurada (não numa prisão), mas consegui libertar-me. :P
Hoje vim aqui espreitar, mas do lado de fora, não vi muito, porque a profundidade de campo está óptima.

03
W
Willem
em 2020-12-03 18:28:29

Fine symmetry in this photo with its nice depth of field.

04
J
Janita
em 2020-12-03 21:08:05

Esta sua bela "Cláusura", deixou o meu olhar enclausurado.
Quisesse eu ser um pouco exagerada e diria ainda mais, _ que anclusurou a minha alma... Mas não; essa anda livre e solta, como um passarinho... :D

05
J
Janita
em 2020-12-03 21:10:13

Diacho... quando a gente quer presumir é quando faz pior.
Aí há acentos a mais e letras a menos... :(

06
M
Michael Rawluk
em 2020-12-04 01:10:55

I love that shot. Excellent work.

07
L
Lis
em 2020-12-04 12:40:18

Gosto muito da foto _ não exatamente das grades que remetem a prisão, e sim do elemento artístico (quando tudo fica desfocado ao mesmo tempo no foco certo).
Quanto ao texto gostei de ler sobre os mosteiros.
É algo enigmático.

08
R
Roadrunner
em 2020-12-06 18:36:55

Uma boa explicação, embora em versão brasileira... 😋
Quanto à clausura, basta-me a da minha cama! 😛

09
O
Omid
em 2020-12-11 20:07:27

such beautiful frame, focus, DOF & colors!
Lovely!

10
R
Remus
em 2021-01-20 20:02:22

Muito obrigado por terem ficado presos comigo. :-)

Manu: À Manu ninguém a prende.
Willem, Michael Rawluk and Omid: Thanks.
Roadrunner: Hoje me dia com o acordo ortográfico, é tudo igual! :-P