Pontos deVistas

Não roube! O Governo não gosta de concorrência.

Se estás ausente Anterior Seguinte

Se estás ausente

       Anterior Seguinte       

#filmphoto  #General

Amo os céus iluminados
pelos astros infinitos;
mas, por mal dos meus pecados,
teus olhos são mais bonitos.

Em teus braços aninhada,
tenho ao alcance da mão
toda uma noite estrelada,
todo o sol no coração.

Amar — verbo transcendente
que a gente conjuga a dois...
É um sorriso no presente
e são lágrimas, depois.

Penso em ti se estás ausente,
penso em ti se perto estás:
longe — quero-te presente,
perto — que embora não vás!

Apesar dos desenganos,
de tanta desilusão,
nós sempre temos vinte anos
num canto do coração.

Poema «Banco de Jardim» de Yde Schloenbach Blumenschein, conhecida como Colombina, in "Cantares de bem-querer (1956)".

Fotografia tirada pela máquina analógica Praktica MTL 5 e com um rolo AGFA Optima II Prestige - 100, expirado em Dezembro de 2003 (9 anos e 10 meses antes da fotografia ter sido tirada).
Distância focal: 58mm

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 3975
Publicação: 2020-09-29
Grupo: Geral
Câmara: Praktica MTL 5
Abertura:
Distância focal:
Velocidade do obturador:
Flash:

  Mais fotografias

Estrela num céu verde Por falta de nitidez É uma quantidade de desilusão Óxido de ferro O alvoroço da luz Minas do Pejão «Cyprinus Carpio» Ora et Labora

  Escolha da semana

A Left-Eyed View: Strolling through Autumn
A Left-Eyed View: Strolling through Autumn

  Comentários

Existem 11 pontos de vista. Quem será o próximo?
JLAMWJAOOAR
01
J
Janita
em 2020-09-29 14:09:48

Há uma parte neste poema que me lembra aquela velha máxima dos amores que não se coadunam, por muito que o desejem:
"Nem contigo e nem sem ti"
Até parece maldição, mas acontece.

Do que eu gostei a valer foi da última quadra:

"Apesar dos desenganos,
de tanta desilusão,
nós sempre temos vinte anos
num canto do coração."

Grande verdade!!

Gostei do banco de jardim a convidar ao repouso das pernas cansadas. Mesmo bom! Nem sujo que nos estrague a fatiota, nem pintado de fresco que nos marque a roupa... e grande, o suficiente para juntar vários amigos numa boa e amena cavaqueira...

Vamos lá? :D

02
L
Lis
em 2020-09-29 14:49:08

Também gosto dos bancos indicando que o tempo já passou por ali _ a tinta se perdeu e os pés enferrujou rs e ele permaneceu a espera ...
A citação de hoje é ótima _essa internet é boa exatamente por isso podemos escolher os que queremos próximos ou afastar os indesejáveis :))
meu abraço, Remus

03
A
Ana Lúcia
em 2020-09-29 16:10:01

Sinto falta de algo nesse banco... uma pessoa, um objecto, uma folha...

04
M
Manu
em 2020-09-29 17:34:03

Podemos imaginar muitas histórias que se o banco falasse poderia contar.
Idosos sozinhos, namorados, crianças e pais...
Momentos de amor, cumplicidade ou solidão.
Gosto deste banco que me lembra os que estão aqui pelo parque da cidade e onde me sento simplesmente a observar e de vez em quando fotografar :P

05
W
Willem
em 2020-09-29 17:40:23

You just have to have an eye for a nice photo result.

06
J
João Menéres
em 2020-09-29 19:13:07

Posso sentar-me?
Que GRANDE banco!
O BES também era...

Um abraço.

07
A
Ana Simões
em 2020-09-29 23:11:48

Bancos vazios remetem-me á solidão... este poema é muito bonito e a foto está linda! A data de validade do rolo está visto que devia estar errada :-)
Boa noite.

08
O
Omid
em 2020-09-30 23:11:50

Amazing shot & frame!

09
O
Omar
em 2020-10-06 12:34:37

Thumb up! Fine graphical shot.

10
A
Alex
em 2020-10-07 15:54:23

aliás... eu permaneço com 20 e não é apenas num canto do coração.. :D 20 forever... :D a imagem e as palavras... sintonia...

11
R
Roadrunner
em 2020-10-09 19:33:43

Ora aqui está uma foto com cor. E com cor bonita! 😛