Pontos deVistas

Receita para ganhar dinheiro: acorda cedo, toma banho e vai trabalhar.

Escrita do Alvão Anterior Seguinte

Escrita do Alvão

       Anterior Seguinte       

#Graphic

Segundo as teorias oficiais, a invenção da escrita remonta a cerca de 3200 a.C, altura da qual datam os primeiros escritos encontrados na Baixa Mesopotâmia.

E se eu vos disser que é possível que em Portugal, mais concretamente em Trás-os-Montes, tenham sido descobertos artefactos arqueológicos que podem sugerir outra coisa. Alguns investigadores atribuem a esses tais artefactos arqueológicos a idade de cerca de 17000 anos. Ou seja, são bem anteriores ao surgimento da escrita na Mesopotâmia.

Mas o que possuem esses artefactos arqueológicos de tão importante?
Eles são umas pedras que foram encontradas dentro de um dólmen (um túmulo intacto da Idade da Pedra).
Nestas pedras podem distinguir-se figuras de animais, pequenas concavidades e misteriosos caracteres de um alfabeto desconhecido. Traços com linhas quebradas, treze caracteres dispostos em linhas horizontais.
É perigoso assumir que a escrita do Alvão (local onde as pedras foram encontradas) constitui o primeiro alfabeto do Mundo, até porque ainda não existe um consenso na comunidade científica em relação à sua autenticidade. Mas sendo essa a idade verdadeira, poderia relacionar-se esta escrita com um achado próximo: um calendário lunar do período Magdaleniano (entre 15.000 a.C e 9000 a.C), encontrado em 2012 na Galiza.

Pode a origem da escrita ser o extremo Ocidental da Península Ibérica e não a Mesopotâmia?
Pode a civilização ter nascido na península Ibérica?
Estes achados deixam muitas perguntas, mas ainda poucas respostas.

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 4048
Publicação: 2021-01-03
Grupo: Grafismos
Câmara: NIKON D90
Abertura: f 3.2
Distância focal: 50 mm
Velocidade do obturador: 1/320 sec
Flash: Não Disparado

  Mais fotografias

Três de sessenta e quatro Se me falta o chão em que piso Fumadores Hemolinfa Homem de espada Coronavírus Cruzar as pernas Não me olhes assim

  Escolha da semana

Sayami.de: Wo Gold nicht stinkt
Sayami.de: Wo Gold nicht stinkt

  Comentários

Existem 8 pontos de vista. Quem será o próximo?
JWLMSAOR
01
J
Janita
em 2021-01-03 17:32:47

Depois disto, haja quem se atreva a dizer que o povo transmontano é bronco, rude e ignorante!!

Há dezassete mil anos já se escrevia em Trás-os-Montes... Com que artefactos? Uma pedra lascada!
...E esta hein?
Faz todo o sentido, pois também as figuras rupestres estão lá para Foz Coa... Sim, senhor, rendo-me ao seu saber, Mr. Remus.

02
W
Willem
em 2021-01-03 18:03:32

Interesting information about the origin of writing and accompanied by an excellent photographic attachment.

03
L
Lis
em 2021-01-03 19:38:44

Precisei ir pesquisar sobre o 'Alvão' - agora sei que a Serra do Alvão é um Parque Natural, com muito verde, cascatas, piscinas naturais, de uma natureza transbordante de belezas. E também como dizes existe ainda essas pedras gigantescas com escritas e figuras.
Obrigada pela lição de arqueologia.
Nenhuma das perguntas responderia :(( com certeza são achados sem respostas.

04
M
Manu
em 2021-01-03 20:20:19

Já andei nesta serra e não reparei nesta escrita, é o Remus sempre atento e a dar-nos informações preciosas.
Se a origem da escrita foi na Mesopotâmia ou no Alvão pouco importa, sinceramente gostava que fosse por cá.
Gostei desta torre, acho que me vou entreter a descodificar esta mensagem 😊

05
S
Steven
em 2021-01-03 22:01:46

An excellent photo to accompany this great information on the origin of writing. I learn something new with each visit.

06
A
Ana Lúcia
em 2021-01-04 14:40:20

Mas a escrita que está neste poste (de electricidade?) foi só o mote para a informação aqui trazida pelo nosso caro Remus?! Não é verdade?! Gostei das folhas outonais desfocadas ao fundo.

07
O
Omid
em 2021-01-17 18:34:26

Amazing!

08
R
Remus
em 2021-02-15 19:41:50

Obrigado a todos os que visitaram e deixaram comentários nesta fotografia.

Willem, Steven and Omid: Thanks.
Ana Lúcia: Claro. As letras no poste foi somente um pretexto. Falei de Alvão nesta fotografia, como poderia ter falado noutra fotografia qualquer que também tivesse letras. Por vezes os assuntos surgem assim do nada. :-)