Pontos deVistas

Quanto maior a dor, maior o alívio.

Génio da Independência Anterior Seguinte

Génio da Independência

       Anterior Seguinte       

#filmphoto  #Urbanism

Em 1918 a seguradora "A Nacional", comprou um terreno em frente do que agora é a Avenida dos Aliados no Porto. Passado um ano, tem aprovado o desenho para a sua nova sede da autoria do arquitecto Oliveira Ferreira. Mas outro ano passa e muda de ideias. Decide mudar de arquitecto e de projecto, pelo que solicita à Câmara a substituição do projecto, por um novo do arquitecto Marques da Silva.

Concentrado na utilidade e à localização de destaque do edifício, Marques da Silva opta por dar-lhe uma imagem arquitectónica de referências franco-flamengas.
São elementos de destaque o grupo escultórico de Sousa Caldas sobre o frontão – ao centro o Génio da Independência, símbolo da seguradora, e, a ladeá-lo, as duas figuras femininas reclinadas representativas de ‘Seguro e Vida’ e ‘Acidente de Trabalho’ – ou ainda o relógio, que do topo do torreão marca as horas para a cidade.
Mas, se pelo exterior predomina uma composição e sistema decorativo de matriz beaux-arts, o espaço interior revela uma surpreendente funcionalidade. É a apologia espacial do escritório moderno, na utilização do betão armado e no pragmatismo de toda a construção.

Fotografia tirada pela máquina analógica Praktica MTL 5 e com um rolo AGFA Optima II Prestige - 100, expirado em Dezembro de 2003 (9 anos e 10 meses antes da fotografia ter sido tirada).
Distância focal: 58mm

  Partilhe

  Informação técnica

Fotografia N.º: 4284
Publicação: 2021-10-31
Grupo: Urbanismos
Câmara: Praktica MTL 5
Abertura:
Distância focal:
Velocidade do obturador:
Flash:

  Mais fotografias

Giraldo General Astroso, tolo & mulheres Clareou Um banco, uma sombra Está quase Branco pentelhado Folha seca

  Escolha da semana

Digit@l Pixel: Espelhos na cidade
Digit@l Pixel: Espelhos na cidade

  Comentários

Existem 8 pontos de vista. Quem será o próximo?
LMMMSWRR
01
L
L Reis
em 2021-10-31 17:33:36

Mas como é que é possível alguém ter tido o mau gosto de colocar aquele mastodonte de ar condicionado, na fachada de um edifício como este?
E o Remus fotografa e não entra por ali adentro a insurgir-se contra facto? Devia até ter ido mais longe e oferecido os seus préstimos para abanar os funcionários com uma folha de palmeira envergando vestes tribais, das 9H às 5h, em troca de tirarem dali aquela monstruosidade.
Mas não! Fotografou este belo pináculo arquitectónico e pôs-se a andar a assobiar para o lado. Vai-se a ver e ainda foi homem para ir comer uma francesinha, completamente alheado dos problemas estéticos que assolam as nossas cidades!

02
M
Manu
em 2021-10-31 21:01:45

Já não me lembro desta construção, mas que é imponente, lá isso é.
Gostei de saber das andanças até estar finalizado.

03
M
Manu
em 2021-10-31 21:04:33

Muito obrigada pelo destaque que deu à minha foto 🙏

04
M
Michael Rawluk
em 2021-11-01 00:05:32

Very nice.

05
S
Steven
em 2021-11-01 01:41:12

An interesting story behind this beautiful building with its ornate architecture! I have to agree about that window air conditioner. :-)

06
W
Willem
em 2021-11-01 17:31:03

Beautiful photo and photographed from an impressive point of view.

07
R
Roadrunner
em 2021-11-04 11:53:58

A destoar só o aparelho de ar condicionado, que se não é de 1918, não deve andar longe... 😜

08
R
Remus
em 2022-01-04 17:59:38

Obrigado por fazerem parte da família do Pontos de Vistas.

L Reis: Mas se calhar o mastodonte de ar condicionado é uma peça de arte. Eu não sei avaliar arte. Se ele está ali, é porque concordaram com ele. ;-)
Michael Rawluk, Steven and Willem: I appreciate your comments.